quinta-feira, março 29, 2007

Proibido abrir túmulo d "O Conquistador"


















O Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) recusou o segundo pedido da Reitoria da Universidade da Universidade de Coimbra (UC), dando seguimento a um projecto de investigação da antropóloga Eugénia Cunha, em que participam especialistas espanhóis.

Segundo o IPPAR “Não estavam suficientemente acauteladas as questões de salvaguarda patrimonial” e recomendou a Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, a rejeitar de vez o pedido.

O Conselho Consultivo do IPPAR, cujos pareceres não são vinculativos, podendo a ministra decidir em contrário, integra representantes de várias entidades públicas, designadamente na área do ambiente, finanças e ordenamento do território, bem como da Igreja Católica e da Associação Nacional de Municípios Portugueses.

A ministra da Cultura dispõe agora de 45 dias para tomar a decisão final sobre o pedido da U C. Em causa está a abertura do túmulo do “Conquistador”, para fins científicos.

2 comentários:

amigo do Henriques disse...

Mais uma fabulosa. Será que "o conquistador" não está lá? Ou de facto a comunidade científica não merece mesmo o crédito que deveria?

Quem são as "entidades públicas", "ambientais", das "finanças", do "ordenamento do território", da "igreja católica" (com letra grande? porquê? é nome próprio?) e da ANMP?

Eu gostava de saber muito mais coisas sobre Afonso Henriques. Preferia saber mais sobre ele que ter visto a "miséria" que é termos constantemente e cada vez com mais força o branqueamento do fascismo em Portugal através de coisas que, por exemplo estas mesmas "ENTIDADES" não abrem tão prosaicamente a boca!

Senhora Ministra da (in)Cultura limpe o mofo que se encontra instalado, resguarde o que deva ser realmente resguardado mas faça com que a comunidade científica nos dê mais da História! Ajude a acautelar o que é para acautelar que isso de "questões de salvaguarda patrimonial" não pega. Não quero acreditar que os especialistas fossem "violar" Afonso Henriques.

Isso tem sempre soluções para que tal não aconteça e não parece que sejam estas "entidades" que saibam como o fazer.

Querem ver que Afonso Henriques era libertário e seria mau exemplo?!

Qual é o gato que há aqui?

Carlos Cardoso disse...

Teixeira Duarte? É este o "gato"?